sexta-feira, 3 de agosto de 2018

Privatização na Saúde vira pauta de reunião na Defensoria

Integrantes de fórum criticaram as estratégias dos governos municipal e estadual, para terceirizar o serviço público
A privatização na saúde pública cearense foi pauta da reunião requerida pelo Fórum em Defesa do SUS à Defensoria Publica do Estado. A audiência foi conduzida pela defensora Karine Matos que, na ocasião, prometeu encaminhar a demanda à diretora da instituição, defensora Mariana Lobo.
Os integrantes do fórum defenderam durante todo o encontro, o atendimento de saúde  realizado por um SUS 100% público, e criticaram as estratégias dos governos municipal e estadual, que se utilizam da precarização das relações de trabalho, para avançar com as  terceirizações, ignorando os diversos pedidos para realização de concurso público.
O grupo também avaliou como insatisfatória a transferência de recursos financeiros a organizações sociais, e pontuaram as falhas no gerenciamento do Instituto de Saúde e Gestão Hospitalar (ISGH). Os representantes das 16 entidades que compõem o Fórum em Defesa do SUS também relembraram que que em 2016, às 4 da madrugada, a Câmara de vereadores de Fortaleza aprovou o Projeto de Lei criando a Fundação de Apoio à Gestão Integrada em Saúde de Fortaleza - Fagifor, uma fundação de direito privado. 
Para o servidor público federal Nacele Daud, est a prática carateriza o interesse do governo em privatizar a Saúde Pública. Elenir Pereira Silva, diretora do Sindicato dos Trabalhadores Federais em Saúde, Trabalho e Previdência Social (Sinprece) reforçou que este processo de privatização já está bem avançado, exemplificando que o ISGH está gerenciando a saúde de todo Estado do Ceará. 
O Fórum em Defesa do SUS deixou claro que buscará alternativas judiciais para a revogação da lei que criou o Fagifor, provando que é possível o gerenciamento da saúde pública sem interferência de empresas.

Nenhum comentário:
Write comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.